You are currently browsing the category archive for the ‘música’ category.

Thought you had
all the answers
to rest your heart upon.
But something happens,
don’t see it coming, now
you can’t stop yourself.
Now you’re out there swimming…
In the deep.
In the deep.

Life keeps tumbling your heart in circles
till you… Let go.
Till you shed your pride, and you climb to heaven,
and you throw yourself off.
Now you’re out there spinning…
In the deep.
In the deep.
In the deep.
In the deep.

And now you’re out there spinning…
And now you’re out there spinning…
In the deep.
In the deep.
In the deep.

In the silence,
all your secrets, will
raise their worried heads.
Well, you can pin yourself back together,
to who you thought you were.
Now you’re out there livin’…
In the deep.
In the deep.
In the deep.

In the deep…

Now you’re out there spinning…
Now you’re out there swimming…
Now you’re out there spinning…
In the deep.
In the deep.
In the deep.
In the deep…

Existem momentos na vida que nos levam a repensar nossos valores. Normalmente momentos de quebra e sofrimento aonde tudo o que somos deixa de fazer sentido e precisamos reavaliar nossa vida como um todo. Existem alguns destes momentos nos quais parte dos sonhos morre, parte da inocência e visão de mundo utópica vai embora para sempre.

Para mim, o ano passado foi um desses momentos. Algo meu morreu lá.

Parte da minha confiança incondicional nas pessoas ficou para trás. Parte da crença nas amizades eternas, no respeito pelo outro, na minha própria valia se perdeu.

Hoje eu consegui recuperar parte disso, mas ficaram ensinamentos, principalmente quanto às amizades. Listo os mais importantes:

– Descobri que tenho menos amigos do que imaginava. Tenho muitos bons conhecidos e colegas, mas amigos, daqueles que eu posso contar e confiar para qualquer situação, daqueles que posso ligar no meio da madrugada em angústia e ter uma palavra de apoio e um suporte verdadeiro, estes são poucos.

– As pessoas são o que elas são. Não é porque ela é sua amiga (ou você acredita que é sua amiga) que ela vai agir diferente do que ela age com as outras pessoas e situações na vida. Talvez ela amenize algumas características indesejáveis, mas na hora que algo grave acontece, ela vai agir do mesmo jeito que sempre agiu.

– Não importa o quanto as pessoas te conheçam, não importa quanto tempo vocês tenham vivido juntos, não importa a forma que você age na sua vida como um todo: você sempre pode ser mal interpretado e julgado por algo que você não é, dependendo ou não dos interesses em jogo.

Mas como todo momento difícil, se optarmos por vê-lo como uma oportunidade de crescimento e mudança, podemos transmutar todo o sofrimento em algo bom. Com tudo o que ocorreu, tive a chance de me reaproximar de amizades verdadeiras que estavam mais afastadas, reatar o contato com pessoas que haviam ficado longe e reforçar o vínculo com novos amigos que surgiram na minha vida.

Na semana passada, uma amiga que voltei a ter contato me falou algo que ajudou a retomar o valor que vejo na amizade. Meses atrás, ela passou por uma fase de mudanças difíceis e quando eu soube o que estava ocorrendo, fui direto ver como ela estava. Revendo agora, ela falou que a minha preocupação naquele momento lá atrás foi uma das coisas que realmente ajudaram-na a superar o que havia ocorrido. O simples fato de que eu estava lá quando ela precisou, depois de anos de afastamento, serviu para que visse que não estava sozinha.

Mas outro acontecimento recente me fez refletir sobre o distanciamento que acabamos tendo das pessoas que realmente importam. Por vezes nos perdemos com problemas menores do nosso cotidiano e esquecemos delas. Um amigo soube recentemente do falecimento súbito de uma amiga que estava afastada. Momentos que poderiam ter sido compartilhados se perderam e não vão mais retornar.

Com tudo isso, aprendi a dar valor a quem realmente importa e decidi ser mais presente para estas pessoas, afinal é possível que não se tenha uma segunda chance de mostrar o quanto elas são importantes para mim.

Fecho o post com uma música do Renato Russo, do álbum “The Stonewall Celebration Concert”. A letra original era um pouco diferente e destinada a outro gênero, mas eu prefiro infinitamente a versão dele.

– – –

“If Tomorrow Never Comes”

Sometimes late at night
I lie awake and watch him sleeping
He’s lost in peaceful dreams
So I turn out the lights and lay there in the dark
And the thought crosses my mind
If I never wake up in the morning
Would he ever doubt the way I feel
About him in my heart

If tomorrow never comes
Will he know how much I loved him
Did I try in every way to show him every day
That he’s my only one
And if my time on earth were through
And he should face this world without me
Is the love I gave him in the past
Gonna be enough to last
If tomorrow never comes

‘Cause I’ve lost loved ones in my life
Who never knew how much they mean to me
Now I live with the regret
That my true feelings for them
never were revealed
So I made a promise to myself
To say each day how much they mean to me
And avoid the circumstance
Where there’s no second chance to tell him
how I feel

If tomorrow never comes
Will he know how much I loved him
Did I try in every way to show him every day
That he’s my only one
And if my time on earth were through
And he should face this world without me
Is the love I gave him in the past
Gonna be enough to last
If tomorrow never comes

So tell that someone that you love
Just what you’re thinking of
If tomorrow never comes

– – –

If tomorrow never comes…

Hoje, depois de anos, ouvi “Carry On” do Angra. Adoro a letra, como trata a superação e o tocar em frente, algo que por vezes esquecemos de fazer e nos pomos a andar em círculos tentando entender os acontecimentos da vida. No final tudo é mais simples. As coisas simplesmente começam e terminam. Criação e destruição. Inícios e fins de ciclos. Fora a letra, acho o instrumental animal!

A outra música é do Lenine. De longe, o trabalho dele é um dos que mais gosto na MPB atual. Letras belíssimas aliadas a um instrumental fantástico. “Paciência” reflete meu momento atual, o ponto que consegui parar um pouco na correria da vida, nesse pequeno hiato da loucura acelerada, ver as coisas que realmente tem valor e merecem a minha dedicação.

– – –

Simple minded brain
for now you succumb
Nothing changes your way
This world insists to be the same
based on our mistakes
The flowers fade along the road
Don’t blindfold your eyes,
so loneliness becomes the law
of a senseless life

Follow your steps and you will find
The unknown ways are on your mind
Need nothing else than just your pride
to get there… [go!]

Now we’ll have to face another day
You won’t be alone
This life is forcing us to stay
– For how long?
Cold is the wind and thunder struck
on a stormy night
But can’t you see, I’m by your side
We are marching on!

Follow your steps and you will find
The unknown ways are in your mind
Need nothing else than just your pride
to get there…
So, carry on,
There’s a meaning to life
Which someday we may find…
Carry on, it’s time to forget
The remains from the past, to carry on

Follow your steps and you will find
The unknown ways are on your mind
Need nothing else than just your pride
to get there…

So, carry on,
There’s a meaning to life
Which someday we may find…
Carry on, it’s time to forget
The remains from the past

So, carry on,
There’s a meaning to life
Which someday we may find…
Carry on, it’s time to forget
The remains from the past

Carry on, it’s time to forget
The remains from the past, to carry on
Remains from the past, to carry on
Remains from the past…

– – –

Mesmo quando tudo pede
Um pouco mais de calma
Até quando o corpo pede
Um pouco mais de alma
A vida não pára…

Enquanto o tempo
Acelera e pede pressa
Eu me recuso faço hora
Vou na valsa
A vida é tão rara…

Enquanto todo mundo
Espera a cura do mal
E a loucura finge
Que isso tudo é normal
Eu finjo ter paciência…

O mundo vai girando
Cada vez mais veloz
A gente espera do mundo
E o mundo espera de nós
Um pouco mais de paciência…

Será que é tempo
Que lhe falta prá perceber?
Será que temos esse tempo
Prá perder?
E quem quer saber?
A vida é tão rara
Tão rara…

Mesmo quando tudo pede
Um pouco mais de calma
Até quando o corpo pede
Um pouco mais de alma
Eu sei, a vida não pára
A vida não pára não…

Será que é tempo
Que lhe falta prá perceber?
Será que temos esse tempo
Prá perder?
E quem quer saber?
A vida é tão rara
Tão rara…

Mesmo quando tudo pede
Um pouco mais de calma
Até quando o corpo pede
Um pouco mais de alma
Eu sei, a vida é tão rara
A vida não pára não…

A vida não pára!…
A vida é tão rara!…

“Percorra qualquer caminho no jardim de Destino e você terá de escolher, não uma, mas muitas vezes.
As trilhas se bifurcam e se dividem. A cada passo que você dá neste jardim, você faz uma escolha; e cada escolha determina rumos futuros.
Contudo, ao final de toda uma vida caminhando, você poderia olhar para trás e ver apenas um caminho… Ou olhar adiante e ver somente a escuridão.”

Sandman – Estação das Brumas

sandman_cut

Sandman (Morpheus, Sonho e outros infinitos nomes) é um dos meus quadrinhos prediletos. Talvez seja mesmo o que eu goste mais, um pouco acima de outros títulos como Hellblazer, Watchmen ou V de Vingança.

Não sei qual foi o ponto que me cativou na série. Se a identificação com o meu universo onírico que é muito rico e vasto, se a temática de paixões depressivas do personagem ou ainda por ver um ser tão poderoso se manter preso às regras e padrões criados por ele mesmo. De qualquer forma, a história e as metáforas funcionam de forma maravilhosa para debater a condição humana.

Bom, não vou me estender debatendo o quadrinho (para os que não conhecem, recomendo imensamente que leiam), mas vou falar de duas curiosidades musicais vinculadas ao tema. Aliás, duas curiosidades musicais que são cantadas por mim nos karaokês.

A primeira é sobre “Dream a Little Dream of Me”. A primeira vez que eu “vi” esta música foi somente em texto, sendo citada no começo do volume 3 de “Prelúdios Noturnos” (a primeira série de histórias que foi lançada do título). Anos depois, ao ouvi-la tocando no rádio, me veio imediatamente o texto lido lá atrás. Para aqueles que como eu nunca ouviram-na (ou para aqueles que a curtem), segue o link:

Dream a Little Dream of Me

A segunda é quanto ao visual do Sandman. Não tem como não remeter ao Robert Smith, vocalista e um dos fundadores do The Cure. Uma das músicas que eu mais gosto deles é a “Just Like Heaven”, com o clipe abaixo.

E a todos, doces sonhos.

“Show me how you do that trick
The one that makes me scream” she said
“The one that makes me laugh” she said
And threw her arms around my neck
“Show me how you do it
And I promise you I promise that
I’ll run away with you
I’ll run away with you”

Spinning on that dizzy edge
I kissed her face and kissed her head
And dreamed of all the different ways I had
To make her glow
“Why are you so far away?” she said
“Why won’t you ever know that I’m in love with you
That I’m in love with you”
“That I’m in love with you”

You
Soft and only
You
Lost and lonely
You
Strange as angels
Dancing in the deepest oceans
Twisting in the water
You’re just like a dream
You’re just like a dream

Daylight licked me into shape
I must have been asleep for days
And moving lips to breathe her name
I opened up my eyes
And found myself alone alone
Alone above a raging sea
That stole the only girl I loved
And drowned her deep inside of me

You
Soft and only
You
Lost and lonely
You
Just like heaven

“Percorra qualquer caminho no jardim de Destino e você terá de escolher, não uma, mas muitas vezes.

As trilhas se bifurcam e se dividem. A cada passo que você dá neste jardim, você faz uma escolha; e cada escolha determina rumos futuros.

Contudo, ao final de toda uma vida caminhando, você poderia olhar para trás e ver apenas um caminho… Ou olhar adiante e ver somente a escuridão.”

Sting-FieldsOfGold-Front

Sting – Fields of Gold

Youll remember me when the west wind moves
Upon the fields of barley
Youll forget the sun in his jealous sky
As we walk in the fields of gold

So she took her love
For to gaze awhile
Upon the fields of barley
In his arms she fell as her hair came down
Among the fields of gold

Will you stay with me, will you be my love
Among the fields of barley
Well forget the sun in his jealous sky
As we lie in the fields of gold

See the west wind move like a lover so
Upon the fields of barley
Feel her body rise when you kiss her mouth
Among the fields of gold
I never made promises lightly
And there have been some that Ive broken
But I swear in the days still left
Well walk in the fields of gold
Well walk in the fields of gold

Many years have passed since those summer days
Among the fields of barley
See the children run as the sun goes down
Among the fields of gold
Youll remember me when the west wind moves
Upon the fields of barley
You can tell the sun in his jealous sky
When we walked in the fields of gold
When we walked in the fields of gold
When we walked in the fields of gold

Essa é a música que começou como grude esta semana. Já havia ouvido anteriormente, até que a Lelê chamou atenção para a letra. E vale muito à pena pelo clip também, belíssimo:

Viva La Vida – Coldplay

I used to rule the world
Seas would rise when I gave the word
Now in the morning I sweep alone
Sweep the streets I used to own

I used to roll the dice
Feel the fear in my enemy’s eyes
Listen as the crowd would sing:
“Now the old king is dead! Long live the king!”

One minute I held the key
Next the walls were closed on me
And I discovered that my castles stand
Upon pillars of salt and pillars of sand

I hear Jerusalem bells a ringing
Roman Cavalry choirs are singing
Be my mirror my sword and shield
My missionaries in a foreign field
For some reason I can’t explain
Once you go there was never, never an honest word
That was when I ruled the world
(Ohhh)

It was the wicked and wild wind
Blew down the doors to let me in
Shattered windows and the sound of drums
People couldn’t believe what I’d become

Revolutionaries wait
For my head on a silver plate
Just a puppet on a lonely string
Oh who would ever want to be king?

I hear Jerusalem bells a ringing
Roman Cavalry choirs are singing
Be my mirror my sword and shield
My missionaries in a foreign field
For some reason I can’t explain
I know Saint Peter will call my name
Never an honest word
But that was when I ruled the world
(Ohhhhh Ohhh Ohhh)

I hear Jerusalem bells a ringing
Roman Cavalry choirs are singing
Be my mirror my sword and shield
My missionaries in a foreign field
For some reason I can’t explain
I know Saint Peter will call my name
Never an honest word
But that was when I ruled the world
Oooooh Oooooh Oooooh

Há alguns anos atrás, o Tola que me apresentou o trabalho do Johnny Cash. Gostei logo de cara do tom soturno daquilo que ouvi.

Uns dias atrás, descobri que uma das minhas músicas prediletas dele é originalmente do Nine Inch Nails: Hurt.

Mesmo com a original do NIN, eu ainda prefiro muito mais a versão do Johnny Cash.

I hurt myself today
To see if I still feel
I focus on the pain
The only thing that’s real
The needle tears a hold
The old familiar sting
Try to kill it all away
But I remember everything

[Chorus:]
What have I become
My sweetest friend
Everyone I know goes away
In the end
And you could have it all
My empire of dirt
I will let you down
I will make you hurt

I wear this crown of thorns
Upon my liar’s chair
Full of broken thoughts
I cannot repair
Beneath the stains of time
The feelings disappear
You are someone else
I am still right here

[Chorus:]
What have I become
My sweetest friend
Everyone I know goes away
In the end
And you could have it all
My empire of dirt
I will let you down
I will make you hurt

If I could start again
A million miles away
I would keep myself
I would find a way

outubro 2021
S T Q Q S S D
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031